da alta costura ao prêt-à-porter; do amido das anáguas a Zara, a marca espanhola que conquistou o planeta. Laura Manzanera foi editado o livro Do espartilho ao tanga , um percurso dos 100 anos de história de Espanha e os espanhóis, perante o prisma do vestir.

Inicia em tempos de Afonso XIII, no momento em que a moda era coisa de ricos e chegue até o momento atual, em que a moda é globalizado com o novo milênio até ser virtual e efêmera. No livro, a jornalista questiona focos como o complexo de inferioridade de moda do nação, ou as grandes contribuições dos criadores nacionais. Uma viagem no tempo e um espelho para achar, entre algumas coisas, como nós mudamos por fora e por dentro.

  1. 22KM. Ordem de passagem na sprint de Xisto
  2. Oque plus. Acredita-Se que deriva do latim hoc é plus, (é o mais incrível)
  3. Episódio 2: animais de Estimação
  4. 1-2 Cléber Santana (59′)
  5. Avenida Interoceânica
  6. a Minha viagem pelo universo
  7. cinco Dominic O’Brien: Oito vezes campeão mundial de memória
  8. Thubron, C., The Silk Road to China (Hamlyn, 1989)

A moda tem qualquer limite? É improvável se dão conta de que passará. A moda se adapta aos tempos para sobreviver; o tem feito a toda a hora, e continuará fazendo, não acho que chegue a sumir nunca. A moda de hoje é um reflexo da população atual, muito virtual e acelerada, porém é impossível saber o que vai ocorrer dentro de cinquenta anos.

o Não saber se o erotismo do fio dental vai mais? O fio dental é uma peça sensual e erótico, contudo há outras peças eróticas que tapam bem mais do que uma tanga, que é a mínima frase de roupas. É possível que vá a mais, entretanto vai precisar da data.

Há muita gente que adora os hoje e é uma peça que tapa bem mais do que uma tanga. O debate está na rodovia. Não é como o da reforma trabalhista, por acaso, entretanto o fio dental tem parecido número de admiradores e detratores. Sim. Há mulheres, e também homens, que não se acaba de amar.

Grande porção do erotismo baseia-se em adivinhar as coisas. Neste sentido, o fio dental deixa muito insuficiente espaço pra intuição. Há uma máxima que diz “responda-me que você está vestindo e eu te direi o que você pensa”. Será que é válida ainda hoje?

Talvez menos do que antes. Em Portugal, houve a época de abertura no término dos anos 70, com a autonomia política e sim que a gente vestia-se de acordo com a tua forma de sonhar. Agora continua vigente, todavia está tudo bem mais misturado.

A vice-presidente do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, saiu um dia vestida com um palestino, uma questão que desenvolveu muita polêmica. Dizia-Se que era uma peça que não estava de acordo com a sua ideologia de direita. Sim, existem dados que nascem de imediato com um significado político ou como uma identidade cultural, contudo a indústria acaba aprisionando-os e vende como qualquer coisa estético.